Dicas de como ter tempo e criatividade para brincar com as crianças

brincar-criancas-quarentena

Existem coisas difíceis e existe cuidar de criança. Brincadeira. Não é tão complicado assim, basta ter amor (fofa), paciência (demais), criatividade (de sobra) e grana (sempre bom). Nessa quarentena (lá vem), as mães estão em polvorosa, por terem que administrar 520 coisas ao mesmo tempo, e ainda precisarem criar atividades lúdicas para divertir e distrair as crianças. No entanto, não criemos pânico que tudo se ajeita e eu quero muito ajudar vocês. Sei que cheguei um pouco atrasada, pois já faz 3 anos que estamos em quarentena, mas nunca é tarde demais no que diz respeito a repassar boas ideias e práticas. Continuar lendo

As crianças também estão sofrendo nessa pandemia

father-2770301_1920

No post passado eu conversei com vocês um pouco sobre sentimentos, principalmente os nossos, como pais, nesse período de pandemia. Hoje quero falar sobre sentimentos também, mas os das crianças. A gente, muitas vezes, subestima a sensibilidade dos pequenos ao lidar com problemas. Tratamos nossos filhos como extensões nossas quando não levamos em conta que dentro deles existe um universo de emoções, que nem sempre temos acesso. 

A pandemia aterrorizou geral. Não era para menos. Ninguém quer o sofrimento de uma doença, ou pior, da morte. A ansiedade por um futuro que não sabemos como será engrossa o caldo do desamparo que estamos vivenciando. Pois bem, as crianças estão sentindo tudo isso também, mas de uma forma mais complicada, pois elas ainda não sabem identificar e nomear as emoções (alguns adultos também não sabem, mas isso é outra história). Continuar lendo

Meu abraço de quarentena

isolamento-social-maternidade

Oi, amadas leitoras (e leitores, se houver)! Começo esse post de forma um pouco envergonhada por motivos de “essa daí nem atualiza o blog”. Mil perdões. A vida não está fácil, mas vocês já sabem disso, pois não está fácil para vocês também. Desde que o mundo acabou (rsrs), tenho tentado equilibrar mais pratinhos do que de costume, como todas vocês, tenho certeza. O pratinho da maternidade, da vida doméstica, do eu que precisa de cuidados, dos relacionamentos, do trabalho, dos projetos pessoais se somou com sucesso aos novos pratinhos: medo, ansiedade, afazeres que se acumulam, crianças em casa sem escola, home-office (para quem é novo no ramo, eu já estava nessa quando era tudo capim…rs), sensação de completo abandono por parte do poder público, e mais e mais.

A pandemia está trazendo para a gente um mundo novo e absolutamente assustador. Eu demorei a atualizar, pois estava tentando entender primeiro para falar depois. Continuo sem entender, o que já era esperado, mas acho legal não sumir assim. Não sou dessas. Acredito que posso ajudar com aquela palavra amiga de quem conhece as dores e delícias da maternagem, e dar dicas que podem (ou não) ser úteis, nesse momento. Continuar lendo

Os medos infantis – como lidar com eles?

little-boy-1635065_1920

Estamos vivendo em um tempo de medo. As pessoas sentem medo, os governantes estimulam o medo, e daí vem o coronavirus mostrando que um bichinho invisível pode acabar com a população da Terra se ele quiser. O medo é um sentimento inerente ao ser humano, mas, em excesso, pode ser aprisionador. Pode justificar as políticas mais absurdas, pode fazer a gente olhar com desconfiança para cada ser humano desse planeta. Nesse embaraço que é a vida, temos as crianças, que têm toda uma peculiaridade na forma de temer as coisas. É disso que vou falar hoje. Continuar lendo

Mãe não tira férias (parte 2)

Mae-nao-tira-ferias

Demorei, mas voltei reclamando. Ou seja, nada de novo sob o Sol. Ultimamente, tenho sido um pouco negligente, confesso, com o blog, mas é por que eu tirei férias, e decidi que ia tirar férias de tudo: estudos, trabalho, internet. Mas daí lembrei que tenho uma tarefa full time que se chama maternidade. Eis o motivo desse post, que mal descansou, e já está cansado de novo. Vida de mãe. Entendedoras entenderão.  Continuar lendo

Crianças são ótimas companhias

Criancas

De vez em quando, a gente lê algumas coisas e pensa: que viagem muito louca a humanidade fez para chegar nesse ponto? Falo, precisamente, do “Movimento” Child Free, que, em resumo, é um galera que não gosta de criança e não quer, de modo algum, conviver com elas, nem mesmo em espaços PÚBLICOS. Porém não é sobre isso que vou falar hoje, esse tema rende à beça e vou deixar para outro post. O que quero falar é sobre como a  gente – até mesmo nós, mães e pais, – subestimamos as crianças, tratando-as como penduricalhos chorões ao invés de humanos. Porém crianças são ótimas companhias. E é sobre isso que vou falar. Continuar lendo

Disciplina positiva: você já ouviu falar?

Disciplina_positiva

Uma coisa que entrou na minha mente e nunca mais saiu, depois que me tornei mãe, é que a gente deveria estudar para saber cuidar dos nossos filhos. Acontece que, as pessoas, no geral, não somente não leem nada a respeito, como acham que sabem tudo sobre o tema. E eu acho que esse desconhecimento sobre a importante função de criar uma criança explica bastante sobre o mundo em que vivemos, por que chegamos onde chegamos, e não no bom sentido.
Continuar lendo

Saudades de mãe (quando o filho começa a crescer rápido demais)

 

Valentina (1)

Eu sei que vou sentir saudades de todas as coisas que reclamo hoje, e também daquelas que me fazem tão feliz, que nem sei como vivi um dia sem elas. Estou falando, por exemplo, de olhar minha filha de 4 anos comemorando freneticamente a promessa de um novo passeio no Parque da Mônica. Ou orgulhosa de si mesma por estar alcançando a pia do banheiro para escovar os dentes. Ou ainda por estar aprendendo a contar e a reconhecer as letras. Continuar lendo

As interrupções na vida de uma mãe

girl-853994_1280

Interrupção. Se tem uma coisa que vem junto com a maternidade é essa palavra. Escondidinha nas conversas sobre leite, educação e sono de bebê, a interrupção se esgueira pelos cantos, vai ganhando confiança e de repente vira um monstrengo que TODA mãe tem que saber lidar.

Para pessoas organizadas, como eu, lidar com tarefas entrecortadas por conversas e perguntas infantis e choro é algo, digamos, desafiador. Continuar lendo