Sobre perder a paciência com os filhos

perder-a-paciencia

Existe uma situação que ninguém gosta de passar, mas que, cedo ou tarde, acaba acontecendo com todos nós: perder o controle. Sentir raiva, explodir, descontrolar-se. Seja no trabalho ou em casa, ou até mesmo na solidão da nossa mente, em algum momento todo mundo sente essa irracionalidade absurda, que nos leva para máres nunca dantes navegados, e que, geralmente, é um oceano que não queremos voltar jamais. A raiva é um sentimento autodestrutivo e machuca, não somente nós mesmos, mas quem está a nossa volta. Ora, por que estou falando disso? Porque ser mãe é estar sempre a um passo de perder a paciência para ela nunca mais voltar. Continuar lendo

Anúncios

A mãe está só

solidao-materna

Na gestação é que tudo começa. Embora rodeada de confetes e palpites, o que mora na mente da grávida é um medo enorme da responsabilidade que vai nascer junto com a criança. Ainda que as pessoas falem que vão ajudar, que ela tem sorte, que filho é uma benção, que tudo vai dar certo; existe sempre um sussurro de que ela vai penar um bocado também. O bebê já demanda e ainda nem nasceu. No fim da gestação já não a deixa dormir, dá altas dores de coluna, incha o corpo todo e chuta, chuta, chuta. Em meio a tudo isso, existe a grávida que não aguenta mais. Que quer o bebê nasça logo, pois não aguenta mais se arrastar com aquele barrigão, que guarda um novo mundo, e por isso parece pesar toneladas.  Continuar lendo

Sobre a mãe que acha que não vai dar conta

mae-nao-dar-conta

Quando minha filha nasceu, trouxe uma série de sensações novas à minha vida, mas uma das mais imediatas e angustiantes foi o medo. Ah, como eu sentia medo! De tudo. Mas, principalmente, de não dar conta de ser mãe. Um erro naquela tarefa poderia ser fatal, como deixar o neném dormir de bruços e ele sufocar, escorregar no banho com o bebê no colo e ele bater a cabeça, e tantas outras hipóteses que só tinham um desfecho. Eu temia porque não conhecia aquele sentimento de ser responsável por uma outra pessoa, inteiramente, integralmente.

Em meio a lágrimas de cansaço, de emoção e de medo, eu chorava também de desespero. E, depois de algum tempo, descobri que esse sentimento não era incomum, muitas mães passavam por isso. E é para elas que quero falar hoje. Apenas para dar um recado um pouco longo. Ei, você que me lê e acabou de ter um bebê: você vai dar conta desse negócio!

Continuar lendo

10 dicas para evitar as birras

dicas-para-lidar-com-birra

Eu não gosto da palavra birra, pois a considero simplista demais. No entanto, não existem sinônimos, e já que não tem outra, vai essa mesma. A birra.

Ah, como ela enche de trevas nosso pobre coraçãozinho de mãe! Como ela teima em vir nos piores momentos possíveis, sempre que estamos cansadas, em público ou tremendamente estressadas. Eu já falei delas aqui, mas no post de hoje eu quero dar algumas sugestões para desarmar essas bombas. Nem sempre é possível, porque birras fazem parte do desenvolvimento cerebral das crianças, que não sabendo lidar com a frustração, entram em profunda crise e fazem aquela cena que conhecemos. Mas, de vez em quando, dá para evitar. E algumas coisas podem ajudar, nesse sentido. Quer saber quais? Vem comigo!

Continuar lendo

A criança interior: por que é essencial nos conectarmos a ela

crianca-interior

O que vou falar aqui vai parecer um pouco místico, mas não é. Dentro da gente estão presentes todas as etapas de nossa vida: do bebê ao adulto que você é hoje. E dentro desse montes de “eus” que existem em você (não se perca, por favor, na minha narrativa) existe, principalmente, a criança que você foi. Já parou para pensar nisso? Dentro de você existe sua versão mais essencial, a que foi construída durante a sua infância. E essa criança é basicamente tudo que você é hoje. 

Meu post de hoje é para falar justamente disso, da nossa criança interior. De como a gente desaprende a olhar e cuidar dela, e de como nós, mães e pais, temos a linda oportunidade de acessar essa criança graças a convivência com nossos filhos pequenos, mas muitas vezes negligenciamos isso, ou nunca paramos, de verdade, para pensar nesse papo que parece meio doido.

Mas não é. Continuar lendo

Agressividade infantil – Como lidar

agressividade-infantil

Sempre falo aqui da importância do exemplo na educação dos filhos. E esse é meu norte absoluto para tudo. No entanto, sejamos honestos, ninguém é perfeito. Eu também não. Acontece que minha filha está vendo diariamente as minhas atitudes, como lido com as emoções, como me expresso, como me relaciono, e tudo isso está sendo assimilado pelo cérebro de criança dela. De que forma é um mistério, mas algum impacto, obviamente, vai existir.

Ora, por que estou dizendo isso? Por que recentemente fui surpreendida por uma das professoras da escolinha dela: ela me disse que há alguns dias a Valentina estava muito agressiva, e ela não entendia por que, pois que não existe menina mais doce na face da Terra (palavras dela, não minhas, só floreei um pouco…rs). Esse chamado me fez refletir sobre mim mesma. Sobre como eu estava ensinando – sem querer – minha filha a ser agressiva. Eis o motivo desse post.  Continuar lendo

Sobre quando odeio ser mãe

sobre-ser-mae

Ninguém é feliz o tempo todo. E as escolhas que a gente faz – ou que chegam até a gente – sempre surgem envoltas em material bom e ruim. Ninguém é feliz o tempo todo, embora seja essa nossa utopia. Muitas vezes desejamos um passado que não volta ou um futuro que não chega, e deixamos o presente no único lugar onde ele não deveria ficar – no esquecimento. Quem passou pela experiência da gestação e do parto – serão para essas que vou falar agora – carrega em si, para sempre, a marca indelével da maternidade. Não existe ex-mãe, esse é um nome que já nasce para ser eterno. Continuar lendo

Não superproteja seus filhos

Superproteger os filhos

O equilíbrio é uma ferramenta excepcional, pena que quase ninguém saiba usar. No ímpeto de acertar, erramos, querendo ajudar, atrapalhamos. Não aprendemos, na história da nossa evolução, a identificar os pequenos sinais, que nos levariam ao caminho do bom-senso. Geralmente atropelamos tudo como um boi dentro de uma loja de louças ou coisa assim. Por que estou falando isso? Ora, pois há muito tempo queria escrever sobre superproteção e não sabia bem como dissertar esse troço. Mas hoje estou inspirada e acho que vai rolar. Quer conferir? Continuar lendo

5 dicas para ser uma mãe organizada (mas sem pirar com isso)

Mae-organizada

Existe uma coisa que vai embora quando a mulher se torna mãe. Não. Não é a paz. Também não é o tempo. Muito menos a privacidade. Embora todas essas coisas escorram das mãos maternas logo que o bebê dá o primeiro “ué” de sua vida, o que vai embora com a maternidade é a “organização”. Sabe aquela casa linda, limpa, com tudo no lugar – uma cena que mais parece uma obras de arte e me dá vontade de chorar de emoção quando vejo – essa residência idílica deixa de existir para todo sempre amém. E por que estou falando isso? Para acalentar o coração das minhas companheiras de jornada, e também para dar umas dicas bem espertas para  pelo menos ter o que sobra da organização, ou algo assim. Continuar lendo

Vale a pena ir ao Parque da Mônica? – Minha experiência

Foto com a Monica.JPG

Vamos lá. Falar de Parque da Turma da Mõnica. Eu prometi e estou cumprindo, como sempre. E olha que minha filha, coitada, aguentou meses minha promessa de levá-la nesse passeio. Eu já estava ficando sem jeito. Mas você deve me entender, principalmente se mora em São Paulo. Parque da Mônica custa o preço de uma pequena viagem para o litoral..rs. Caro. Sim. Bem caro. No entanto, antecipo e já dou spoiler de que gostei demais da experiência e você vai entender o por quê agora comigo, nesse lindo post, feito com amor, carinho e alguns mil reais a menos na conta.

Como disse, há muito tempo eu planejava levar a Valentina no Parque da Mônica, porém por ser caro, tive que me organizar bastante para conseguir cumprir o que tinha dito. Além desse fato, ocorreu que na primeira data que eu tinha marcado para levar minha pequena nesse maravilhoso mundo dos gibis, ela adoeceu e depois eu. Então, já viu. Passeio adiado. No entanto, depois tudo deu certo e ela simplesmente amou o dia. Continuar lendo