A mãe está só

solidao-materna

Na gestação é que tudo começa. Embora rodeada de confetes e palpites, o que mora na mente da grávida é um medo enorme da responsabilidade que vai nascer junto com a criança. Ainda que as pessoas falem que vão ajudar, que ela tem sorte, que filho é uma benção, que tudo vai dar certo; existe sempre um sussurro de que ela vai penar um bocado também. O bebê já demanda e ainda nem nasceu. No fim da gestação já não a deixa dormir, dá altas dores de coluna, incha o corpo todo e chuta, chuta, chuta. Em meio a tudo isso, existe a grávida que não aguenta mais. Que quer o bebê nasça logo, pois não aguenta mais se arrastar com aquele barrigão, que guarda um novo mundo, e por isso parece pesar toneladas.  Continuar lendo

Anúncios

Sobre quando odeio ser mãe

sobre-ser-mae

Ninguém é feliz o tempo todo. E as escolhas que a gente faz – ou que chegam até a gente – sempre surgem envoltas em material bom e ruim. Ninguém é feliz o tempo todo, embora seja essa nossa utopia. Muitas vezes desejamos um passado que não volta ou um futuro que não chega, e deixamos o presente no único lugar onde ele não deveria ficar – no esquecimento. Quem passou pela experiência da gestação e do parto – serão para essas que vou falar agora – carrega em si, para sempre, a marca indelével da maternidade. Não existe ex-mãe, esse é um nome que já nasce para ser eterno. Continuar lendo

Um conto materno de Natal

conto-natal

Natal. Sim, preciso falar dele, pois já passei por algumas fases na minha vida, e tive que ressignificar essa data algumas vezes. Já gostei apaixonadamente, e já desgostei também, mas, nesse ano, ele me lembrou um preceito que eu inventei agora (haha) “vida não combina nada com perfeição” e vou explicar por quê. Continuar lendo

Ela vai crescer e eu quero estar presente

Ela-vai-crescer

Ninguém pensa muito no tempo, até que ele passe. Na correria do relógio, a nossa mente, estômago, pés e braços, seguem sempre na direção de alguém que nunca pode parar. Quem para fica para trás. Quem quer seguir outro caminho, ou é inovador ou só louco mesmo. Por que estou dizendo tudo isso hoje? Por que do alto da minha maternagem percebi que não quero ser arrastada pelo tempo dessa forma. Sei que vou piscar o olho, e a Valentina vai precisar baixar a cabeça para falar comigo. Por que meus 1.58 de altura certamente serão superados pela certeza orgânica de que ela vai crescer, e ficar bem maior do que eu.

Não estou preparada para isso. Continuar lendo

Seja presente na vida

Estar-presente.jpg

Crianças não entendem a noção de tempo. Eu sei, já disse isso aqui. Mas não é bem isso o que quero falar hoje. Venho pensando e tenho cada vez mais claro que nós, adultos, entendemos menos ainda o tempo, porque o relógio nos atropela, e o calendário anda tão rápido, que a gente mal pisca, e nossa vida já passou. Creio que entender o tempo – um conceito tão abstrato – é compreender que existe algo mais importante do que mensurar os itens “feitos” da nossa lista interminável de afazeres.

Esse algo essencial chama-se presença. Lugar onde a gente quase nunca visita. Estamos sempre no passado, remoendo nossas dores, repisando nossos erros, revivendo as angústias. Quando não estamos “no que já foi”, vamos parar “no que ainda não chegou”, e aí o sofrimento é o medo do futuro, de não nos prepararmos o suficiente para esse lugar tão legal, que nunca vai chegar. Sim, você já parou para pensar que o futuro nunca chega? Que quando ele chega, e vira presente, a gente descarta, e vai viver, novamente, das nossas abstrações? Ora, por que raios eu resolvi falar disso hoje? Para enfatizar a importância da nossa PRESENÇA na vida dos nossos filhos. Continuar lendo

Minha singela homenagem para a(s) mãe(s)

baby-864137_1920

Você só entende a dimensão da palavra mãe em duas situações: quando você se torna uma ou quando perde a sua. Eu passei pelas duas coisas, então hoje posso dizer que conheço o significado dessa palavra e o universo escondido nessas três letras juntas: mãe. Ela passa pela nossa vida, sempre de modo impactante, e pode permanecer nela por anos, décadas, sem a gente nunca chegar a perceber o tanto de vida que ela nos doou todos os dias da existência dela.

Ela está lá quando você mais precisa, e também quando nem quer falar com ela. Atire a primeira pedra quem nunca chamou a mãe de chata, disse que não queria conversa, bateu a porta do quarto. Quando crianças – bem crianças mesmo – mal a gente lembra, mas ela era todo nosso mundo. Não importa se tínhamos pai, irmãos, avós, tias. Ninguém nem de longe se comparava ao que a presença da nossa mãe significava. Continuar lendo

Por que é tão difícil ser mãe solteira?

Mae solteira

Vou falar uma frase no passado: eu nunca me imaginei na situação que estou hoje. Na minha cabeça adolescente (que durou até uns vinte e oito anos..haha), eu teria primeiro uma carreira de sucesso, depois conheceria o amor da minha vida e depois teria filhos, nessa ordem. Não acreditava que uma mudança na posição dos acontecimentos poderia me fazer feliz, porque não era meu ideal de vida.

Acontece que hoje sou uma mãe solo, estou longe de ter uma carreira de sucesso e casamento é algo que nem passa pela minha cabeça mais. Apesar de parecer estranho, olha só, eu sou bem feliz, TODOS OS DIAS. Sinto-me em paz com minha vida e com quem eu sou. Sinto-me amada e amo as pessoas. Valorizo sentimentos, não coisas. Consigo todo dia me sentir como na infância, pois tem uma pequenininha correndo pela casa e me ensinando. Esse é o meu cenário, mas não estou dizendo que as coisas são fáceis. Na verdade, as coisas são bem difíceis e vou explicar por quê.
Continuar lendo

A imaginação das crianças (e como isso pode mudar a visão de vida dos adultos)

imaginacao-criancas

Não sei bem em que momento isso acontece, mas há uma fase em que a vida, a minha, a sua, a de todo mundo, vai ficando meio assim, sem imaginação. Parece que tudo é chato, tudo é obrigação, tudo é compromisso. Viramos adultos e toda aquela diversão que imaginamos existir na maturidade vira coisa da nossa cabeça, utopia de uma mente que um dia foi fértil. E a gente só percebe que ficou chato quando observa uma criança: ah, como elas são felizes, criativas, descoladas, espertas, simples.  Continuar lendo

Se eu não fosse mãe…

Ser-mae

Uma confissão. Antes de ser mãe eu não queria ser mãe. Mesmo nos primeiros dias da gravidez, a ideia da maternidade me soou assustadora, e no mau sentido. Imaginava o fim da minha privacidade e independência, o fim dos meus sonhos de viajar o mundo, de conhecer outras culturas. Quando descobri o positivo no teste de gravidez, parece que a minha carreira profissional ruiu junto com o som do meu choro (sim, eu chorei quando soube). Eu dizia aos quatro ventos, antes de me tornar mãe, que não queria esse “cargo” para mim. Imaginava o quanto deveria ser difícil, o quanto soava altruísta em demasia a ideia de cuidar, cuidar e cuidar de outro por décadas, deixando todo o resto em segundo plano.

Existem verdades nossas que o tempo se encarrega de levar embora. A minha convicção de que maternidade não era para mim hoje virou uma frase desbotada no tempo, totalmente desprovida de qualquer sentido. Porém, muitas vezes, na correria do dia a dia, ainda sobra um espaço da Cíntia, um espacinho, um cubículo mesmo, que sussurra, de vez em nunca, sobre como seria minha vida se eu não fosse mãe. Continuar lendo

Para minha filha (por que você anda crescendo rápido demais)

IMG_2040.JPG

Outro dia te vendo montar as peças de Lego me dei conta de que você anda crescendo muito rápido. Parece que foi ontem que essas mesmas peças iam parar na sua boca, e você as apreciava com o prazer de quem come um pedaço de chocolate; ou um pouco depois quando ficava brava por não conseguir encaixá-las no lugar certo. Hoje já monta até castelo, coloca a boneca dentro, faz de conta que é a casinha. Brinca de “cadê? achou!” e dá altas gargalhadas quando eu finjo que não estou te encontrando. Continuar lendo