Crianças que vão para a escola ficam mais doentes?

crianca.doente-escolinha

A entrada da Valentina na escola – como já contei aqui – foi meio no susto (para o horror do meu espírito virginiano). No entanto, a adaptação dela ocorreu, de modo geral, muito tranquilamente. Tudo lindo, tudo favorável, não fosse um detalhe: desde que minha filha entrou na escola, há cerca de 3 meses, ela disparou a ficar doente, sem nunca melhorar totalmente. E isso tem tirado meu sono, pois é claro que entra em cena a culpa materna, e minha vontade de voltar no tempo e mandá-la para a escolinha mesmo só lá para os cinco anos. Andei pesquisando – e eu meio que já sabia – que crianças que vão para a escolinha adoecem mais mesmo, principalmente, no primeiro ano. E você sabe por que isso acontece? Continuar lendo

Anúncios

Criança precisa de rotina – Saiba por quê

Rotina-criancas

Desde que me tornei mãe, não demorei a perceber o quanto a rotina faz diferença na vidas das crianças. E o quanto a falta dela prejudica – e muito – toda dinâmica familiar. Mas, na realidade, acho que todo ser humano, precisa de alguma espécie de rotina. Sei que soa muito empolgante aquela visão de vida nômade, na qual não se sabe onde estará amanhã, e tudo mais. Mas na vida real, isso é bem pouco prático. Imagine para as crianças! Se existe um conselho que eu posso dar, com segurança, é esse: estabeleça desde cedo uma rotina para seu filho. Você não vai se arrepender. Continuar lendo

Os primeiros dias na escolinha

Escolinha-adaptacao

Tem aquela frase que diz que criamos nossos filhos para o mundo. Que temos que prepara-los para a “cruel” vida em sociedade. Que eles precisam sair da bolha, que é a família, o quanto antes para não sofrerem tanto depois. O fato é que eu somente agora fui obrigada a estourar a “bolha”, isso porque minha filha começou a fazer escolinha, e eu estou até hoje na pura sofrência com essa adaptação. Continuar lendo

O que é mimar?

MImar-filho

Ser mãe é ter medo. Sim. Como a gente sente medo! E teme, principalmente, não conseguir cumprir bem o papel de educar. Um dos maiores temores de quem é mãe, pelo menos da maioria, é mimar demais a pobre criança e criar um adulto chato, arrogante, que se acha o dono do mundo, e não aprende nunca a lidar com as frustrações da vida. Nenhuma mãe quer ser responsável por lançar ao mundo esses seres exaustivos que são as as pessoas muito mimadas. Pois bem, tudo começa na infância. Só que esse medo exagerado de mimar demais faz a gente confundir tudo, de vez em quando. E é sobre isso que quero falar. Sobre o que é esse troço de mimar, e como isso não tem nada a ver com dar afeto. Mas vamos por parte. Continuar lendo

10 coisas que provam que ser mãe pode te transformar em uma pessoa melhor

Ser-mae-pessoa-melhor

Sim. Eu prometi. E cá estou cumprindo. Desde que me tornei mãe, descobri uma oportunidade muito rica e intensa de me tornar uma pessoa melhor. Ninguém, evidentemente, me disse “Seja melhor, Cíntia!”, até porque ninguém tem absolutamente nenhuma reclamação a meu respeito, a não ser, talvez, as pessoas que me conheçam (rsrs). O que aconteceu foi que passei por aquela erupção vulcânica que a Laura Gutman tão bem explicou no livro que ainda vou resenhar (prometo) “A Maternidade e o Encontro com a Própria Sombra”. E essa abertura de alma me fez enxergar muita coisa nova. Hoje me sinto muito melhor como pessoa, de verdade. E olha que só comecei nesse troço de maternidade. Tem muito chão pela frente!

No entanto, acredito que já posso falar sobre o quanto acredito que a maternidade pode transformar alguém para melhor. Olha lá no título, coloquei “pode”, porque nada acontece, se a gente não quiser. Se não houver essa abertura interna, tudo continuará igualzinho sempre. E isso não é bom. Precisamos saber mudar. A mudança faz parte da vida. Nossa essência nunca vai se perder, mas podemos ir aparando as arestas, refletindo sobre nossa atitude com as outras pessoas, etc, etc e tal. Por isso, sem mais delongas, fiz essa singela listinha com as 10 coisas que provam que ser mãe pode te tornar uma pessoa melhor. Confere só. Continuar lendo

Sobre fazer as vontades dos filhos

fazer-vontades-crianca

De vem em quando, o mundo da maternidade da mídia nos presenteia com alguma notícia curiosa, impactante ou ambas. Recentemente, não foi diferente. Apareceu aí uma news de que uma mãe brigou com uma conhecida, porque a última não deixou o filho da primeira brincar com os itens de uma coleção. Antes que me perguntem o que eu acho (ninguém fez isso, mas vai fazer…haha), afirmo que não dá para avaliar corretamente essa pequena história por que não conheço todos os elementos e nem sei como o troço procedeu de fato. Seria leviano, e nada produtivo. Prefiro sair pela tangente (de vez em quando, é bom) dizendo que não vejo certo nessa história, e que a criança, a meu ver, é uma vítima. Ponto.

No entanto, essa notícia me lembrou de algo que eu queria falar aqui já há algum tempo. Sobre essa coisa de fazer as vontades da criança ou não, até que ponto ceder, como usar corretamente o não milagroso, e o que é “mimar”. São muitos dilemas na minha cabeça reflexiva, pois minha pequena tem dois anos e meio e me testa o tempo todo, como todo baby adolescente costuma fazer (já falei sobre adolescência do bebê aqui). Acontece que geral diz que Valentina é uma criança encantadora e boazinha. Que não faz raiva para ninguém. No entanto, já ouvi de uma pessoa que estou a mimando por dar afeto e atenção demais, ser muito boazinha, essas coisas. E tudo isso me fez refletir sobre esse troço todo de fazer as vontades dos filhos. Continuar lendo

Por que criança chora tanto?

Crianca choro

Eu sempre soube que bebês choram muito. Todo mundo fala isso o tempo todo, é senso comum, verdade purinha. Acontece que o que eu não sabia é que a medida que esses bebezinhos crescem, aprendem a falar e tal, eles fazem uma coisa que para mim é surpreendente: CONTINUAM CHORANDO MUITO. Digo isso como a mãe de uma menina de dois anos e quatro meses, que ainda faz a sinfonia do nono choro pelos quatro cantos da casa. Daí dia desses fiquei indagado: Será que a Valentina é chorona ou isso é normal da fase? E lá fui eu pesquisar mundo afora. Continuar lendo

Como fazer seu filho gostar de ler

Leitura crianca

Ah…os livros. Como eu amo esse monte de papel reunido em torno de uma história ou de várias. Ler para mim é uma das coisas mais interessantes da vida. Sem exagero. Eu venero, adoro cheiro de livro, vou em uma livraria comprar um e saio com três (e já pensando nos próximos), trato alguns livros especiais como melhores amigos mesmo. Enfim, entendeu, né? Eu gosto de ler. 

Pois bem. Uma das coisas que mais quero é que minha filha divida comigo esse gosto. Daí você pode dizer.

— Lá vem a mãe projetando coisas na criança…

E eu respondo:

— Não seja tão ranzinza. Ler é bom para todo mundo, não é como se eu tivesse querendo que minha filha gostasse, sei lá, de lavar louça (sim, eu gosto. Me julguem).

Todo mundo sabe o quanto a leitura faz a diferença na vida de uma pessoa. Pessoas que leem se comunicam melhor, interpretam melhor, tem mais empatia (tendo em vista que estão o tempo todo vendo as coisas com os olhos de outras pessoas). Além disso, a leitura ajuda no processo de alfabetização (no caso das crianças), e melhora nossa escrita (fato comprovado por minha própria pessoa). Faz a gente conhecer o mundo do ponto de vista de pessoas completamente diferentes, de culturas diferentes, de lugares diferentes, etc. A gente passa a enxergar as coisas com outros olhos, fora que nosso vocabulário fica chuchu beleza. Continuar lendo

Criança precisa brincar! Saiba por quê

Crianca brincando

Você já reparou em uma criança brincando? Ou melhor, caso tenha filhos, já reparou no seu filho brincando? O que você viu ali, além da brincadeira pura e simples?

Espero que você me responda que viu um mundo novo a se abrir, uma pureza inexplicável e uma doçura sem fim como se tivesse ouvindo uma canção de anjos a ecoar. Espero que você responda que sempre cai uma lágrima quando olha seu pequeno brincar. Ora, tem que cair, por que uma criança brincando está fazendo uma coisa linda: está dando sentido para a própria vida (essa frase, por favor, não é minha, quem disse, muito sabiamente, foi o professor Tiago Aquino nesse texto aqui).

Pois bem. O post de hoje é apenas uma homenagem ao brincar. Ou melhor, na verdade, o que quero é mostrar por que a brincadeira é tão importante na vida das crianças e devemos colocar como parte da rotina um espacinho para elas terem tempo para brincar. Continuar lendo

Como ensinar seu filho a lidar com as emoções

cube-1644385_1920

Um dia eu fiz um teste com a Valentina.

Em meio à uma crise de birra, olhei bem para ela, e disse:

— Sabe por que você está assim? Você está frustrada e triste por não ter conseguido fazer o que queria.

Ela então, na mesma hora, parou de chorar e respondeu:

— Triste??

E foi parando de chorar, lentamente, enquanto eu conversava com ela sobre o que é ficar triste/frustrada.

Eu já havia lido a respeito. De como é importante que a gente ajude nossos filhos a identificarem e rotularem o que sentem, principalmente na primeira infância. No entanto, foi no livro que eu já citei aqui de John Medina – A Ciência dos Bebês, que entendi a fundo o que significa essa rotulagem de emoções e como ela pode ser determinante na futura felicidade dos filhos.
Continuar lendo