Crianças precisam de atenção

Bebê e ursinho - Pixabay

Hoje vou começar o post com uma pergunta capciosa: você tem dado a devida atenção para o seu filho/filha? 

Claro! Você vai dizer. É só o que eu faço. Meu tempo é todo para essa criança. É banho todo dia, comida, higiene, fora que tem levar no médico, tem que fazer dormir, tem que recolher brinquedos O DIA TODO pela casa. Sim. Obviamente. Pergunta idiota. Prossiga.

Daí, eu entro e falo: talvez você, mesmo fazendo todas essas coisas, não tenha realmente olhado sua cria. Sabe aqueles cinco minutos que você senta no chão e brinca com a criança? Que você para tudo o que está fazendo e aceita o brinquedo que seu filho veio dar na sua mão? Sabe aquela hora que você fica sem fazer absolutamente nada, só olhando seu bebê brincar e interagir com o mundo? Bom, volto a perguntar: você tem feito isso nos últimos dias?

Vou contar uma coisa: desde que a Valentina começou a brincar e interagir dedico algumas meia horinhas para ficar perto dela, ora brincando, ora olhando-a brincar. Noto o quanto esse olhar a faz feliz. O quanto para ela saber que estou ali a deixa mais segura. Ela consegue ficar ali no mundinho de bebê dela  um tempão, sem precisar de mim, de fato (gente estou falando de um bebê, um tempão é tipo dez minutos. Muito justo!). No entanto, ela não precisa de mim participando ativamente, mas ela precisa dessa atenção da mamãe. Pois é. É sobre isso que vou falar. Crianças, principalmente as mais pequenininhas, precisam muito da atenção dos pais.

Uma outra pergunta capciosa (estou cheia delas hoje): você já assistiu Super Nany? Se identificou com aquelas mães DESESPERADAS com os filhos mais pestes, que parecem ter sido produzidos em laboratório de tão danados que são? Eu já assisti várias e várias vezes antes de ser mãe. Adorava aquela postura de governanta britânica da apresentadora. Adorava que tudo o que ela fazia funcionava. Os pestes viravam uns anjos com três medidas: parar de dormir na cama dos pais, cantinho do pensamento e compensação. Acho que era isso. Faz tempo que não vejo. 

teacher-145378_1280

Bom dia! Vim aqui ensinar você a cuidar do seu filho!

Mas desde que me tornei mãe e comecei a me interessar por esse mundo do ponto de vista dos pais, e não mais das crianças (hahaha), comecei a pesquisar e notar pela minha experiência que aquelas crianças lá no programa estavam fazendo um pedido de socorro por uma coisa: atenção dos pais. E, sim, aquelas medidas funcionavam de alguma forma, mas não iam ao âmago da questão. É claro que não poderiam ir. É um programa de TV. Cronometrado. Precisa de resultado. Entender o que acontece no interior de uma família leva tempo e diálogo. Não é coisa para TV. Não faz parte do Script.

A questão da atenção para as crianças é algo tão urgente quanto a comida que elas comem, a roupa que elas vestem, o colchão que elas dormem. Crianças precisam sentir que são importantes para os pais. Que tem alguém ali que vai protegê-las, vai guiá-las, vai ampará-las, se necessário. Essa busca por atenção não envolve uma criança falando: 

— Mãe, quebrei aquele pote de cerâmica que você herdou da sua tataravó porque queria chamar sua atenção. Você está sempre no celular, falando com a vizinha, arrumando a casa, brigando comigo, vendo novela. Nunca para para ver minhas reais necessidades. Não pergunta como foi meu dia, como estou me sentindo, se preciso de um abraço. Essas coisas me incomodam, mas sou criança e não sei expressá-las. Por isso, tenha o obséquio de cumprir seu papel de mãe de uma forma mais eficiente. Obrigada. Atenciosamente. 

O que ele vai fazer é quebrar o pote de cerâmica, ficar com raiva, pois você vai dar aquele grito, depois ele vai pegar a manteiga que está na geladeira e vai passar no cachorro. Você vai limpar e brigar com ele de novo. Ele vai ficar com mais raiva e vai pegar todos os seus documentos e rasgar um a um na sua frente. Você vai chorar de desespero, brigar com ele e mandar ele para o castigo. Ele vai falar que não liga. Vai rir de você e derrubar a TV no chão do quarto. 

Fúria 2

Agora, me responda: ele queria fazer todas essas coisas? Evidente que não. A criança não tem nada contra o pote de cerâmica, nem contra o cachorro, muito menos contra seus documentos e a TV. O que ele está fazendo quando age assim (gente não sou psicóloga, falemos de modo geral, tá. Cada caso é um caso) é adotando um comportamento negativo para chamar SUA atenção. 

Sim. Crianças são muito espertas e cheias de energia. É claro que criança adora uma experiência. Quer ver o que acontece quando ele enfia o garfo na tomada. Mas quando esses comportamentos são muito repetitivos e o guri vira uma peste que só faz má criação, tem algo de errado por aí. Provavelmente ele notou que o comportamento péssimo dele faz a mãe enxergá-lo, digamos assim.

Para chamar a atenção seu bebê pode, por exemplo, começar a morder, bater a cabeça na parede e em todas as outras superfícies perigosas e maléficas. Ele pode gritar. Pode chorar. Enfim, o céu é o limite quando eles querem aparecer. Mas esse exibicionismo é um pedido de socorro, os pequenos não sabem se comunicar com eficácia ainda (e alguns adultos também não, mas isso não vem ao caso). Eles usam a linguagem não verbal como principal ferramenta para dar o recado deles.

Além disso, crianças são seres intuitivos, emocionais. Agem com o coração mesmo. Tão nem aí para as regras da sociedade. Aí, já viu, né? Coitada da mãe que vai aguentar gritaria no mercado (o clássico!), palavras de baixo calão na frentes das visitas, perguntas indiscretas nos lugares mais impróprios. Muita coisa boa e amável. Recordação para os melhores álbuns de família.

Mas bato na tecla: o que seu filho quer,  na maioria das vezes, é apenas que você olhe para ele, converse, pergunte, brinque com ele. Crianças esperam dias inteiros por isso. Por esse olhar mais demorado que às vezes não chega. E o tempo passa e as crianças crescem. Agora imagine esse adulto desamparado emocionalmente? Será uma dificuldade relacionar-se com os outros tendo essa carência gigante no peito. Muito triste. 

Não deixemos isso acontecer! Cito novamente Laura Gutman por que a danada sabe das coisas. Ela fala no livro “O Encontro com a própria Sombra” que existe uma coisa chamada “pedido deslocado”. Às vezes, aquela bala que seu filho pede 500 vezes no mercado, não é a bala em si. Ele quer atenção, mas não sabe como pedir. Daí pede a bala 500 vezes. Acontece conosco também: esposo chega tarde do trabalho. A mulher está cansada, mas com saudades. Um abraço já melhoraria muito o dia dela, mas tudo o que ela consegue dizer é: você não me ajuda em nada, agora fica um pouco com esse bebê.O cara vai lá e faz na má vontade, mas faz. No entanto, a esposa continua insatisfeita, pois não ganhou o abraço que queria, entendeu?

Sim. Conviver é deveras dificultoso. Mas crianças são mais simples que adultos. Fique de olho! Dê atenção para o seu pequeno. Mas não a atenção de cuidar dele, de forma autômata, mãe atarefada e cansada. Dê atenção da mãe que reside em você e ama esse ser mais que tudo na vida. Olhe para ele. Brinque com ele. Converse com ele. Crianças são espertas. Podem ser companheiras excelentes, se deixarmos. Mas para isso, mãe, você precisa estar de coração aberto para entender que seu filho não é uma peste que faz as coisas para te ver sofrer. O que acontece é que ele te ama tanto, que sua indiferença do dia a dia faz dele triste e ele não consegue entender essa tristeza. Age de forma negativa, mas querendo apenas uma coisa: você e seu olhar para ele.

Estamos conversadas? Vai lá brincar com sua cria. Beijão!

Anúncios

5 comentários sobre “Crianças precisam de atenção

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s